Como me inscrevo, protetor ou proprietário?

Nas campanhas da ARPA não fazemos discriminação de nenhum animal, seja da rua ou de exposição. Todavia somos obrigados a fazer uma distinção, por imposição da Ordem dos Médicos, quanto ao tipo de pessoas que aderem à campanha isto é, se são proprietários ou protetores dos animais a castrar. De facto, a Ordem só admite esta campanha a preços reduzidos para protectores de animais de rua de colónia e para proprietários carenciados, isto é pessoas que não detêm recursos financeiros para esterilizarem seus animais em um veterinário a preços normais. É muito importante que haja transparência em cada inscrição e se esclareça devidamente quais são as condições e circunstâncias dos animais levados à campanha. Se estamos a lidar com proprietários ou protetores, e qual será o destino dos animais depois da esterilização, para que possamos continuar com a conviência da OMV a estas campanhas.
Posto isto:
A ARPA considera que são protetores apenas as pessoas que cuidam exclusivamente de gatos de rua, selvagens, que vivem em colónias. Tais animais terão a orelha ligeiramente cortada para identificação de que já foi esterilizado.
Não são considerados protetores aqueles que já tiverem a seu cuidado/adoptado um animal abandonado, seja ele animal de rua ou vindo de uma associação. Neste caso a inscrição deverá ser feita como proprietário, já que o animal está sob a tutela/responsabilidade dessa pessoa, e levar Chip.
Outro caso é o de pessoas que tratam animais de rua ou os recolhem com o intuito de os esterilizar para depois serem adoptados, seja pela pessoa que os recolhe seja por outra. Também nestes casos a inscrição deve ser feita como proprietário e não como protetor, dado que só assim se evita o corte de orelha. Nesse caso o animal deve ser microchipado em nome de quem se inscreve na campanha ou em nome de quem o vai adoptar, se já se souber quem será o proprietário. Se já se souber quem vai ser o proprietário, deve ser este último a inscrever-se na campanha, obedecendo obviamente aos requisitos.
Caso ainda não se saiba quem será o adoptante, inscreve-se o animal em nome da pessoa que cuida e que se inscreverá na campanha; depois é fácil fazer a transferência, é só contactar a base de dados.
Os Felinos que por alguma hipótese, mesmo que mínima, possam ter de regressar à rua porque não têm quem os adopte devem ter a ponta da orelha esquerda cortada, para futura identificação e reconhecimento de que já está esterilizado. De outra forma apenas depois de captura e anestesia, ou mesmo já em cirurgia, é que descobriríamos que ele(a) já tinha sido esterilizado(a).